Marco Civil da Internet

Acredito que todos vocês ouviram falar da espionagem na internet e os últimos problemas envolvendo o Brasil.

Depois desses escândalos todos o Brasil resolveu dar uma passo adiante e tomar uma atitude para evitar futuros problemas. Foi criado o Marco Civil da Internet. Mas o que é isso?

O Marco Civil da Internet é um projeto de lei, ele tem base no artigo 64 da Constituição (pra quem quiser pesquisar hehehe) e deverá ser votado nos próximos 45 dias. Este Marco Civil basicamente apoia a liberdade na internet incluindo os seguintes tópicos: privacidade, neutralidade e a proteção dos direitos constitucionais no ‘mundo virtual’.

Lógico, isto não basta para tornar a internet um lugar mais seguro e confiável, mas já é um grande passo. O próximo passo seria a criação de uma política de segurança na internet, investindo em técnicas sofisticadas para proteger os dados do governo e dos cidadãos, e sabe o melhor? Provavelmente isso tudo deve ser realizado por profissionais brasileiros (pessoal da área de TI batendo palmas agora!!).

A segurança na rede, principalmente aqui no Brasil, sempre foi algo que me preocupou muito, mas aos poucos nosso país vem evoluindo em relação a isso. Quem sabe em breve nos tornamos um exemplo no cenário internacional.

Salve o Twitter!

Quem aqui utiliza o twitter constantemente?

Desde de que o Twitter foi lançado, em 2006, pouca coisa foi mudada nele. As funcionalidades continuam as mesmas e a praticidade em utilizar também. A cara do site mudou um pouco, ficou mais bonito e funcional, mas sem perder a velha usabilidade de antes. Poucas coisas sofreram mudanças e acho que é exatamente por isso que eu considero ele a melhor rede social existente.

Quando ele foi lançado pensei: “Que coisa inútil, pra que vou utilizar isso?”, mas de uns anos pra cá descobri que ele é a melhor maneira de acompanhar tudo que acontece no mundo, basta saber quem seguir. Dentre os perfis que sigo existem diversas empresas e sites de notícia, os quais sempre postam diariamente uma série de informações sobre diversos assuntos, mas com uma grande vantagem. Mesmo sendo uma grande quantidade de informações não é difícil acompanhar tudo, afinal cada post possui apenas 140 caracteres. 

Pra mim esta é a grande sacada do twitter. Em apenas 140 caracteres as empresas tem que convencer o leitor a clicar no link para ver a notícia completa, e devido a isso a criatividade nos posts é maior ainda. No Twitter você tem uma  ‘timeline’ limpa, sem fotos, vídeos e coisas chatas nada interessantes.

Outra vantagem que vejo no Twitter é a fácil interação com diferentes pessoas. No meu caso por exemplo, utilizo o twitter para me comunicar e fazer perguntas para empresas ou colegas nerds de profissão. E diferentemente de outras redes sociais, a resposta é rápida, alias, tudo no Twitter acontece rápido.

Nunca usou o Twitter? Que tal dar uma chance pra ele, prometo que ele não vai te decepcionar! 😛

Estão nos observando!

Um dos assuntos mais comentados no mundo virtual e que tem envolvido o Brasil fortemente é um tal caso de “espionagem virtual”.

Para quem está por fora do assunto (tá na hora de começar a ler as notícias hein!!) vou explicar bem rapidinho este assunto. Existe uma suspeita (não vou afirmar porque não foi provado ainda heheh) que empresas como a Apple, a Microsoft e o Google fornecem informações pessoais para o governo dos EUA sobre aquilo que nós colocamos na internet com a desculpa de identificar possíveis grupos terroristas. “Nossa, quer dizer que eles conseguem ver tudo sobre minha vida?”, sim conseguem, mas isso não é surpresa nenhuma certo?

Acontece que este tipo de informação não pode ser fornecida a ninguém sem que exista uma liminar judicial com bons argumentos para isso. Aí que começa o problema, digamos assim. Segundo relatos estas e outras empresas fornecem esse tipo de informação sem qualquer mandado legal, quebrando os termos de serviço (aqueles que você aceita sem ler) de manter a privacidade das informações.

Fiquem tranquilos, o governo dos EUA não está procurando seus segredos românticos e nem aquelas fotos estranhas com seus amigos naquele álbum privado no Facebook. Eles procuram possíveis terroristas pela rede, claro, isso não justifica ficar olhando a vida de todo mundo, mas também não é o fim dos tempos. Afinal, quem não deve não teme.

Mas existe um jeito de se proteger disso Henrique? Sim existe! Basta você não usar mais nada na internet. Tirando isso não existe outra solução que pode ser utilizada de maneira simples.

Não estou defendendo estas empresas e nem o governo dos EUA, e realmente não acho certo que estas informações sejam compartilhadas, mas não vejo isso como algo que mude minha maneira de usar a internet. Nós somos pessoas comuns, que utilizamos a internet basicamente por diversão, para estudar e para se comunicar, e isso não vai mudar em nada a vida deles.

Tenho 13 anos e nenhum dos meus amigos usa o Facebook

Essa semana inúmeros sites publicaram uma notícia muito interessante com o mesmo título que este post. Além disso, a matéria original foi compartilhada 45 mil vezes em diversas redes sociais.

Pensei em resumir ou comentar sobre esta notícia, mas no fim das contas decidi trazer ela na íntegra. Ela foi publicada originalmente Mashable e foi escrita pela adolescente Ruby Karp.

“Sou uma adolescente que mora em Nova York. Todos os meus amigos têm redes sociais –Instagram, Vine, Snapchat etc. Quando eu era mais nova, só falava sobre o Facebook. “Mãe, quero um Facebook!”, e outras queixas que só uma mãe suporta. Mas agora, aos 13 anos, venho percebendo algo de diferente. O Facebook vem perdendo os adolescentes recentemente, e acho que sei o motivo.

Parte da razão para que o Facebook esteja perdendo a atenção de minha geração é que existem outras redes agora. Quando eu tinha dez anos, ainda não tinha idade para um Facebook. Mas uma coisa mágica chamada Instagram havia acabado de aparecer –e nossos pais nem faziam ideia de que houvesse uma idade mínima para inscrição. Meus amigos todos logo tinham Instagrams. Agora que temos idade suficiente para um Facebook, não queremos mais. Quando chegou o momento em que estávamos autorizados a ter um Facebook, todos estávamos obcecados com o Instagram. Isso me conduz ao ponto seguinte. Ainda que eu tenha Facebook, nenhum dos meus amigos tem. Eles acharam que ter um seria perda de tempo.

Decidi ter uma conta no Facebook para descobrir qual era a graça do site. Logo descobri que o Facebook é inútil se você não tem amigos lá. Meu único amigo no site é, tipo, minha avó. Adolescentes são seguidores. É isso que somos. Se todos os meus amigos estão baixando uma coisa nova e bacana chamada Snapchat, é isso que eu quero também!

Todos os nossos pais e os amigos de nossos pais têm Facebook. Não é só por eu receber ocasionais mensagens do tipo “oi, bonequinha”. Mas meus amigos postam fotos que me colocam em encrenca com os pais. Digamos que eu seja convidada a uma festa e haja menores bebendo lá. Eu não estou bebendo, mas alguém pega a câmera. Mesmo que eu não esteja com um copo na mão, talvez seja fotografada por trás de uma menina que está bebendo algo forte. Mais tarde naquela semana, um idiotinha decide postar fotos da festa “maravilhosa”. Se minha mãe me visse em uma festa com pessoas bebendo, mesmo que eu não estivesse, eu estaria morta. Isso não é culpa do Facebook, mas acontece lá.

O Facebook também causa muito bullying no ensino médio. A molecada faz comentários malvados em uma foto sua, ou envia mensagens malvadas. Não é culpa do Facebook, mas, uma vez mais, é algo que acontece lá. Se minha mãe ouvisse dizer que estou sofrendo bullying no Facebook, me forçaria a sair da rede na hora.

Quando eu era mais nova, minha mãe tinha Facebook. Eu entrava sempre, para resolver charadas, jogar etc. O Facebook era algo único. Era um grande sucesso, mas não deixava de ser cool por isso. Com o passar dos anos, eu sempre quis um Facebook só para mim. Mas, quando abri minha conta, tudo começou a mudar. Havia coisas demais acontecendo. A mudança do velho Facebook para o modelo Timeline aconteceu muito repentinamente. Basta ver algo como o Twitter –eles têm, tipo, quatro botões. As pessoas gostam mais de um design mais “simples”.

O Facebook também se tornou uma grande ferramenta de marketing. O site toma seus interesses com base naquilo que você tenha “curtido” e veicula anúncios na sua página. Não quero ofender, mas, quando estou olhando meu Feed de notícias, não quero realmente saber sobre o novo produto da Pantene.

Não é mais o Facebook que existia quando eu tinha sete anos. Ficou complicado –a realidade é que “nós gostávamos dele como era. Por que vocês estão mudando tudo?” 

Em resumo, o Facebook está se esforçando demais. Os adolescentes odeiam quando as pessoas se esforçam demais; isso causa rejeição. É como quando minha mãe me diz para não fazer alguma coisa –eu imediatamente sinto que devo fazê-la. E, quando ela me força a fazer alguma coisa, eu não tenho a menor vontade. Os adolescentes gostam de aderir às coisas por vontade própria. Se você fica esfregando os novos recursos do Facebook na cara deles, eles se irritam e encontram novas mídias sociais.

O Facebook precisa dos adolescentes, porque em breve seremos nós as pessoas que o manterão. E os adolescentes sabem disso, o que os incomoda. Eu amo o Facebook, de verdade. Espero que eles se recuperem e atraiam o pessoal da minha idade. Acho que a ideia do site é ótima, e desejo toda sorte a eles.”

Nerd Saudável

“E quem disse que nerd não pode ser saudável?

O pessoal sempre vem com essa pra mim: “Você trabalha com informática e faz atividade física? Nossa!”

Felizmente, hoje em dia temos uma grande facilidade de praticar uma atividade física. A quantidade de opções (mesmo em cidades pequenas) é enorme, e o preço das academias é mais acessível.

Ok, mas o que isso tem haver com tecnologia?

Alguns nerds saudáveis resolveram criar aplicativos que permitem que você registre suas atividades físicas, sua alimentação e seus hábitos. Com isso é possível acompanhar seus resultados, ver sua evolução e ainda comparar isso tudo com seus amigos (afinal, uma competição saudável é sempre estimulante). Vou citar alguns que eu já testei.

Strava Running and Cycling: Com ele você consegue acompanhar, medir e compartilhar seus resultados pessoais. Ele é possível criar rotas pré-definidas para você seguir, criar grupos de amigos que praticam atividades juntos e pesquisar novas rotas e objetivos.

MapMyRun: Na verdade temos uma série de aplicativos da linha MapMy. Existe uma série de aplicativos para diferentes tipos de atividades como ciclismo, caminhada de aventuda, corrida, entre outros. Além dos recursos do Strava, esta série de aplicativos permite que você acompanhe sua alimentação, e faz um cálculo de calorias consumidas e gastas.

Endomondo: Também não possui o acompanhamento alimentar, mas possui alguns recursos diferentes dos outros que auxiliam durante a atividade física. Ele possui um sistema de desafios bem legal, que distribui medalhas virtuais, isso é ótimo para quem gosta de se sentir desafiado. A desvantagem dele é que ele só possui medidas em milhas, e não em metros, como estamos acostumados.

Em todos os casos citados, além do aplicativo do celular, é possível acompanhar tudo pelos sites de cada aplicativo.

Que tal deixar um sedentarismo de lado e começar a fazer se mexer um pouco?”

Mais bateria por favor!

Finalmente eu vi uma notícia que esperava a anos!

Uma empresa japonesa (sempre eles né?) chamada Shin-Etsu desenvolveu um material que promete aumentar a capacidade das baterias de lítio, que são utilizadas em celulares e tablets, em até 10 vezes!

Quando comecei a ler essa notícia pensei: “Putz, mais um material tóxico pra ferrar com a saúde da galera!”, mas acabei me surpreendendo. Eles utilizam lâminas de que conservam cardas elétricas dentro das baterias.

Segundo a empresa eles poderiam produzir em grande escala este tipo de bateria em três ou quatro anos. Já foram enviados protótipos para diversos fabricantes de bateria para testes de desgaste, custo de produção e outros testes (inclusive possíveis impactos na saúde dos usuários)

Também existe uma outra empresa japonesa (eles outra vez) chamada Hitachi Chemical que está desenvolvendo uma outra tecnologia para aumentar a carga das baterias.

Como eu sempre falo, dispositivos moveis como celulares e tablets são o futuro da tecnologia e acredito que nos próximos anos os desktops e até mesmo os notebooks irão perder cada vez mais espaço e a única coisa que falta para isso acontecer é o tempo de duração da bateria, quem sabe isso esteja perto de ser resolvido.

Uma iniciativa muito legal que já está sendo colocada em pratica é a do Ubuntu Phone, que promete tornar seu celular o único dispositivo necessário, transformando ele em seu computador pessoal também.

Abaixo tem um vídeo que mostra mais ou menos a ideia, mas ele só tem versão em inglês, infelizmente.

Já é possível comprar este celular por US$780 (aceito doações! huasahusau)

 

Música Online

Olá pessoal!

Preparados para a Escola de Formação e Música? Faltam poucos dias, não deixe de fazer sua inscrição! Para entrar no clima musical hoje vou mostrar para vocês alguns sites ótimos para escutar músicas online.

Hoje em dia, raramente baixo uma música e venho usando cada vez mais sites que me permitem escutar música online e isso por um ótimo motivo seja em casa, no trabalho ou na rua através do celular sempre tenho todas as músicas que quero escutar. 

Para aqueles momentos que vocês não sabe o que escutar mas quer algo que seja compatível com seu humor recomento um site chamado SuperPlayer. Nele existem diversas playlists criadas onde você pode escolher seu humor, a atividade que você está fazendo, ou até mesmo um gênero musical. Além disso vocês pode juntar estas opções e formar uma playlist só. Com o SuperPlayer você sempre vai conseguir escutar as músicas certas para o momento certo. O SuperPlayer também é ótimo para aqueles momentos que você está procurando alguma música ou artista diferente.

Outro site que também é super recomendado para achar coisas novas é o SoundCloud. Ele permite que qualquer pessoa publique suas músicas online, ou seja, aquelas bandas que não tem muita exposição na mídia normalmente estão lá. A pesquisa dele não é muito boa, mas com um pouco de paciência você encontra ótimas bandas ou artistas solo. Além de música o SoundCloud possui um espaço para podcasts, e lá também sempre tem algo legal para escutar. Uma super dica é acompanhar o perfil da JEVI lá e escutar as novidades que vão para o nosso programete semanal na rádio.

Outro bem conhecido também é o Lastfm. Particularmente não sou muito fã dele, e é o que eu menos uso. Ele trabalha com o conceito de rádios virtuais e as vezes é meio difícil achar uma que agrade. Mas a parte legal dele é que lá você encontra todo tipo de artista, desde aqueles super conhecidos até aquelas famosas bandinhas de garagem.

Agora sem dúvida o mais conhecido desse gênero de sites, o MySpace. Ele se caracteriza como uma ‘rede social musical’. Além dos recursos básicos para escutar música, o MySpace possui um grande apelo para a parte de interação entre seus membros. O legal disso é que, dependendo da banda (claro que as menores hehehe), você consegue um contato direto e de uma forma natural. Lá você também encontra de tudo, desde mega artistas até músicos de garagem.

Com certeza existem vários outros sites que também tem esse foco musical, mas estes são os que eu mais utilizo e recomendo. Todos esses que eu citei no post também possuem aplicativos para celular, assim você pode aproveitar os recursos oferecidos em qualquer lugar.

Rede social ou plataforma de marketing?

Olá pessoal!

Ultimamente tenho escutado de muitas pessoas: “o Facebook está cada vez mais chato”. Será que ele está chegando ao seu fim? Sinceramente, duvido muito.

O Facebook se tornou algo maior que uma simples rede social. Vários serviços foram integrados e para onde quer que olhamos vemos alguma referência a esta gigante rede.

Além de uma rede social, o Facebook se tornou uma das maiores e melhores plataformas de marketing que já existiram (é isso mesmo James? hehehe). Antes do Facebook, empresas e pessoas ficavam muito distantes na internet. A única forma de contato era via e-mail ou por aqueles simples formulários de “Fale conosco”.

Com a popularização do facebook as empresas encontraram uma forma de ter um canal direto com seus clientes. Claro não podemos esquecer do Twitter, que também possui um grande papel no marketing digital. Mas isso tudo tem seu preço. Já faz muito tempo que o Facebook deixou de ser um lugar privado para interagir com seus amigos. Mas será que existe alguma rede social que ainda permite isso?

Essa semana encontrei o Tuenti, uma rede social criada na Espanha em 2006 e que está chegando ao Brasil aos poucos (e espero que ela não se estrague aqui). Ela já possui mais de 15 milhões de usuários e este número cresce a cada dia. E sabe o porque? Eles prometem privacidade.

Pessoas conversando com pessoas, amigos com amigos, sem nada mais. Inclusive os perfis dos usuários não aparecem nos sites de busca (Google, Bing e etc). Todas as informações inseridas nesta rede social são privadas e não podem ser vistas por ‘fontes externas’ (pelo menos é o prometido hehehe).

Se você ficou curioso para conhecer o Tuenti, com certeza me encontrará por lá, mas se você quer realmente privacidade para conversar com seus amigos faça o seguinte: encontre eles pessoalmente. Porque afinal, existe mesmo privacidade na internet?

Sobre os protestos

Olá pessoal!

Eu tinha planejado para essa semana algumas novidades que foram apresentadas na E3 (maior feira de jogos do mundo), mas acho que falar de jogos enquanto vivemos este momento no Brasil seria no mínimo estranho.

Ontem alguns conhecidos vieram me fazer algumas perguntas em relação aos protestos virtuais que estão sendo realizados, e eu vou tentar responder algumas perguntas. Existe uma parte jurídica também, que infelizmente eu não tenho conhecimento (caso você que está lendo tenha mais informações sobre essa área, deixe seu comentário). Mas vamos as perguntas:

– Posso ser enquadrado em algum crime por compartilhar fotos ou postar frases que apoiem o movimento de ir para a rua?
Não, graças a Deus no Brasil não existe nenhuma lei que possa te censurar por postar algo na internet, desde que este post não estimule a violência ou tenha algum objetivo de organizar um ato violento.

– Fazer parte de grupos e eventos no Facebook que estejam organizando passeatas ou protestos pode trazer algum problema para mim?
Novamente não, mas com o mesmo ‘porém’ do item acima. Existem alguns grupos que se aproveitam da situação para vandalizar a cidade. Veja qual o real objetivo dos grupos/eventos que você foi convidado.

– Invasão de perfis virtuais é crime?
Esta é uma situação complicada. No Brasil a única lei que temos relacionada a isso é meio confusa. Mas para todos os motivos é melhor não fazer.

– Derrubar sites por ataques DoS, do inglês “Denial of Service” traduzido para “Negação de Serviço”, é considerado crime?
Depende da forma que isso é realizada, o que renderia uma longa e complexa explicação. Mas, novamente, é melhor não mexer com esse tipo de coisa.

– Assinar um “Abaixo Assinado” virtual pode trazer algum problema?
Cuidado onde você coloca seu nome. Leia atentamente o objetivo do abaixo assinado em questão. Considere cada ponto colocado e a forma que é abordada. Se você concordar assine, não é crime se juntar a um grupo de pessoas com a mesma opinião que você.

Agora chega de perguntas e vamos para a parte prática. A juventude com certeza tem um papel muito importante (se não o maior de todos) nestes movimentos. Nosso país nunca esteve tão perto de mudar como nesses últimos dias. Se você quer ajudar mas por algum motivo não irá participar das manifestos ‘não virtuais’ você pode fazer as seguintes coisas:
– Abra seu Wi-Fi: caso você more perto de áreas com manifestos, tirar a senha do seu wi-fi pode ajudar aos que participam. Assim eles irão possuir uma forma de compartilhar o que está acontecendo.
– Registre tudo que ouve e vê: a internet é um universo sem limites. Registre tudo que você achar que deve e compartilhe, alguém pode precisar.
– Compartilhar é participar: espalhar a informação é uma forma de impedir que ela seja esquecida o apagada.

Agora um comentário que não tem nada haver com a parte tecnologica da coisa. Estes movimentos que vêm acontecendo tem a possibilidade de mudar nosso país para melhor, mas eles não podem acabar simplesmente junto com os eventos realizados. Temos que viver esta mudança constantemente em nossas vidas e continuar construindo de forma correta o nosso país daqui pra frente.

Vamos mostrar que os jovens podem sim fazer a diferença para o nosso futuro, vamos mostrar que somos jovens e somos protagonistas no mundo.

E para terminar, ai vai uma boa música que fala mais ou menos sobre aquilo que deve ser mudado.

Biblioteca virtual

Olá a todos!

Como um bom nerd sou apaixonado por livros, e por ter vários livros acabo tendo outro problema, espaço! Além do espaço para guardá-los, o peso para o transporte é consideravelmente grande. E como sempre, existem várias soluções tecnológicas.

A cada dia mais ouvimos falar em e-books, os famosos livros virtuais e eles tem se tornado mais acessíveis no Brasil. No início desse mercado virtual de livros existiam poucos lojas com livros traduzidos para nosso idioma, mas hoje em dia já temos disponíveis de diferentes títulos dos mais variados estilos literários.

Entre as maiores livrarias virtuais com livros no nosso idioma temos a IBA, que além de vender livros possui em seu acervo jornais e revistas nacionalmente conhecidas. Outra conhecida livraria de livros ‘normais’ também possui em seu site a venda de e-book, a Livraria Cultura. Além de vender os livros, eles possuem um espaço que distribui e-books gratuitamente, com o objetivo de popularizar o seu uso. Entre as livrarias internacionais temos a Amazon e o Google Books que possuem uma variedade de livros maior ainda!

Mas como ler esses livros virtuais?

Ler sentado na frente do computador é super desconfortável e no celular é cansativo. A melhor opção para a leitura de e-books com certeza são os tablets, e todas as livrarias virtuais que eu citei acima possuem aplicativos que podem ser instalados no seu tablet. Outro dispositivo, que tem um tamanho e formato parecido com um tablet é o E-Reader. O E-Reader possui algumas diferenças, mas a principal delas é o brilho da tela, que tenta simular e tornar a leitura de um e-book igual ao de um livro comum.

Se você nunca experimentou ler um livro dessa forma eu recomendo experimentar, quem sabe assim começa a sobrar espaço na sua estante e sua mochila fique mais leve.