Sobre os protestos

Olá pessoal!

Eu tinha planejado para essa semana algumas novidades que foram apresentadas na E3 (maior feira de jogos do mundo), mas acho que falar de jogos enquanto vivemos este momento no Brasil seria no mínimo estranho.

Ontem alguns conhecidos vieram me fazer algumas perguntas em relação aos protestos virtuais que estão sendo realizados, e eu vou tentar responder algumas perguntas. Existe uma parte jurídica também, que infelizmente eu não tenho conhecimento (caso você que está lendo tenha mais informações sobre essa área, deixe seu comentário). Mas vamos as perguntas:

– Posso ser enquadrado em algum crime por compartilhar fotos ou postar frases que apoiem o movimento de ir para a rua?
Não, graças a Deus no Brasil não existe nenhuma lei que possa te censurar por postar algo na internet, desde que este post não estimule a violência ou tenha algum objetivo de organizar um ato violento.

– Fazer parte de grupos e eventos no Facebook que estejam organizando passeatas ou protestos pode trazer algum problema para mim?
Novamente não, mas com o mesmo ‘porém’ do item acima. Existem alguns grupos que se aproveitam da situação para vandalizar a cidade. Veja qual o real objetivo dos grupos/eventos que você foi convidado.

– Invasão de perfis virtuais é crime?
Esta é uma situação complicada. No Brasil a única lei que temos relacionada a isso é meio confusa. Mas para todos os motivos é melhor não fazer.

– Derrubar sites por ataques DoS, do inglês “Denial of Service” traduzido para “Negação de Serviço”, é considerado crime?
Depende da forma que isso é realizada, o que renderia uma longa e complexa explicação. Mas, novamente, é melhor não mexer com esse tipo de coisa.

– Assinar um “Abaixo Assinado” virtual pode trazer algum problema?
Cuidado onde você coloca seu nome. Leia atentamente o objetivo do abaixo assinado em questão. Considere cada ponto colocado e a forma que é abordada. Se você concordar assine, não é crime se juntar a um grupo de pessoas com a mesma opinião que você.

Agora chega de perguntas e vamos para a parte prática. A juventude com certeza tem um papel muito importante (se não o maior de todos) nestes movimentos. Nosso país nunca esteve tão perto de mudar como nesses últimos dias. Se você quer ajudar mas por algum motivo não irá participar das manifestos ‘não virtuais’ você pode fazer as seguintes coisas:
– Abra seu Wi-Fi: caso você more perto de áreas com manifestos, tirar a senha do seu wi-fi pode ajudar aos que participam. Assim eles irão possuir uma forma de compartilhar o que está acontecendo.
– Registre tudo que ouve e vê: a internet é um universo sem limites. Registre tudo que você achar que deve e compartilhe, alguém pode precisar.
– Compartilhar é participar: espalhar a informação é uma forma de impedir que ela seja esquecida o apagada.

Agora um comentário que não tem nada haver com a parte tecnologica da coisa. Estes movimentos que vêm acontecendo tem a possibilidade de mudar nosso país para melhor, mas eles não podem acabar simplesmente junto com os eventos realizados. Temos que viver esta mudança constantemente em nossas vidas e continuar construindo de forma correta o nosso país daqui pra frente.

Vamos mostrar que os jovens podem sim fazer a diferença para o nosso futuro, vamos mostrar que somos jovens e somos protagonistas no mundo.

E para terminar, ai vai uma boa música que fala mais ou menos sobre aquilo que deve ser mudado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *